Novidade importante para motores a etanol

No Salão do Motor em Paris, no início de outubro último, a Nissan apresentou um novo tipo de motor ciclo Otto que pode ter um papel muito importante no Brasil onde a maioria dos carros vendidos são flex.

Trata-se do motor “Variable Compression-Turbo (VC-T)” cuja principal característica é modificar a taxa de compressão (de 8:1 até 14:1), adaptando-se às variações de demanda de torque e permitindo um desempenho mais elevado que os motores convencionais, onde a taxa de compressão não muda.

O novo motor vai equipar um carro INFINITY (linha de carros de luxo do Grupo NISSAN), que será comercializado em 2017. Segundo os fabricantes, com quatro cilindros, o VC-T 2.0 substitui um motor V6 3.5, sem prejuízo de potência e torque e consome 27 por cento menos gasolina. Segundo Kinichi Tanuma, engenheiro da Nissan, seu torque é compatível com o de motores diesel, mas deve custar menos que um motor diesel turbinado equivalente, com a vantagem de atender mais facilmente às restrições de emissões.

Ele representa um salto em eficiência e compactação e é a “cereja do bolo” dos motores a gasolina (ciclo Otto), buscada há muito tempo. Dessa vez, ao que tudo indica, uma solução está pronta para ser lançada no mercado. Nela, a mudança da taxa de compressão é feita em tempo real por meio de uma biela cujo comprimento varia e é ajustado por um motor elétrico. Outros fabricantes e pesquisadores trabalham para aperfeiçoar mecanismos que tenham o mesmo efeito de variar a taxa de compressão em motores Otto. O sucesso da NISSAN certamente vai acelerar o amadurecimento de outras tecnologias.

As notícias sobre o motor, ainda muito recentes, chamam a atenção para diversos aspectos disruptivos que vão trazer para o mercado automotivo, como a possibilidade de competir com os híbrido-elétricos e de substituir o motor diesel.

Além desses aspectos, o VC-T é perfeito para aumentar a eficiência energética nos carros flex, que utilizam variadas proporções de etanol misturado com gasolina. Nos motores flex atuais as características físicas dos motores, notadamente a taxa de compressão fixa, são projetadas para usar de forma adequada a gasolina. Virtudes do etanol combustível, como sua elevada octanagem, vão ser mais bem aproveitadas com a adaptação da taxa de compressão às suas características.

Não foi possível encontrar referência ao uso desses motores em carros flex, até porque estes representam menos que 5% das vendas mundiais de motores, concentradas no Brasil e EUA. Como nos EUA o interesse pelos flex decorre de variados incentivos e o etanol é vendido em poucos postos, é no Brasil, onde mais de cinco milhões de carros praticamente só usam etanol, que grandes saltos de eficiência e redução de emissões podem ser observados.

Espera-se que a Nissan, sem prejuízo do trabalho que realiza para usar, em longo prazo, o etanol como fonte de hidrogênio (para células a combustível em carros elétricos), use sua base tecnológica brasileira para explorar o uso do VC-T em veículos flex, que pode apresentar resultados em curto prazo.

11/07/2017

[Fonte: INEE]


Leia também

Pietro Erber, do INEE: Renda Hidrelétrica

Usinas hidrelétricas têm, normalmente, vida útil bem mais longa do que o período necessário para a amortização do investimento realizado. Após esse período, os custos da energia gerada compreend...
Leia mais...

Pietro Erber, do INEE: Considerações sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico

O adiamento da alienação do controle acionário da União na Eletrobrás apresenta ao Governo a oportunidade de concentrar sua atenção na definição do modelo do setor elétrico, no qual o papel dess...
Leia mais...

Osório, Saudades

Osório de Brito faleceu no dia 15 de maio, com 79 anos. Engenheiro eletricista formado pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil, pós-graduado em engenharia econômica pela UFR...
Leia mais...

Eletrobras: Chamada Pública Procel/Edifica

A Eletrobras convida para a Chamada Pública Procel/Edifica, divulgando a seguinte mensagem:
"Disseminar a eficiência energética em edificações brasileiras é uma tarefa que compete a todos nó...
Leia mais...

INEE divulga o Relatório de Atividades de 2017

Em 2017, o INEE organizou, realizou e participou de seminários, realizou trabalhos de consultoria, publicou artigos e divulgou informações através de seus sites: www.inee.org.br, voltado para a ...
Leia mais...

Pietro Erber, do INEE: Reflorestamento e Geração Elétrica

Pelo Acordo de Paris, firmado em 2015, o Brasil se comprometeu a desempenhar relevante papel na contenção do aquecimento global. Dentre os compromissos assumidos e previstos para serem implemen...
Leia mais...

Isabela Cardoso, do IPOG: Projeto Luminotécnico e Iluminação Eficiente no Setor Supermercadista

Trata-se de uma pesquisa sobre projeto luminotécnico aplicado em comércio varejista de alimentos, com enfoque no segmento de auto-serviço – supermercados no contexto atual brasileiro. Como atrav...
Leia mais...

INEE: Substituindo Diesel por Etanol, um resumo do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

O INEE realizou a quarta edição do seminário, em 25 de outubro de 2017, no Centro Tecnológico da Mahle, em Jundiaí, onde ocorreu ampla e construtiva discussão sobre a substituição do óleo diesel...
Leia mais...

Palestras do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

A quarta edição do Seminário aconteceu no dia 25 de outubro em Jundiaí, São Paulo, no Tech Center da Mahle, organizado pelo INEE, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar.

O uso eficien...
Leia mais...

INEE: Descarbonizando o Setor Energético Brasileiro

O texto a seguir foi preparado pelo INEE para o ICS - Instituto Clima e Sociedade – ICS, como um documento de suporte para uma reunião com o projeto AGORA para discutir alternativas para minimiz...
Leia mais...

Pietro Erber, do INEE: MP 579, um desastre e duas questões

Muito tem sido comentado a respeito das consequências deletérias da MP 579, convertida na Lei 12783. No entanto, apesar do que representou para o setor elétrico e para o país, pouco ou nada se p...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Etanol Pode Substituir Diesel?

O INEE havia sido desaconselhado a fazer um evento sobre a substituição de óleo diesel por etanol porque sua densidade energética é cerca de 70% daquela da gasolina e apenas 60% daquela do diese...
Leia mais...

INEE divulga programa do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

O evento será realizado em 25 de outubro, no Jundiaí Tech Center da Mahle, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar. As sessões do Seminário abrangerão os temas: tecnologias, usos e políticas, ...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Etanol, o incompreendido

A história do uso do etanol sofre avanços e recuos e é mal compreendida desde que o homem aprendeu a produzi-lo há 10 mil anos. Hoje é mais lembrado pelos malefícios associados às bebidas. Até o...
Leia mais...

INEE apresenta sugestões para as Propostas de Aprimoramento do Marco Legal do Setor Elétrico

Em resposta à Consulta Pública 033 de 05/07/2017, o INEE apresentou, em 17 de agosto, observações que entende serem pertinentes aos objetivos indicados na Nota Técnica nº 5/2017/AEREG/SE.

...
Leia mais...

Newsletter Fale Conosco