Jayme Buarque, do INEE: Aperfeiçoando o uso de etanol

No final do século passado, o forte aumento do preço da gasolina fez ressurgir, no Brasil, a procura por carros a etanol, cuja fabricação tinha sido praticamente interrompida. Como nesses anos a tecnologia de carros tinha evoluído, a indústria de automóvel decidiu não investir na modernização do motor, que atenderia apenas o mercado brasileiro.

Decidiu, então, usar a tecnologia flex, desenvolvida nos EUA onde a lei do ar limpo, de 1992, estimulou a criação de carros flex que tanto pudessem usar gasolina, quanto E85, combustível com “pelo menos” 85% de etanol. Além de incentivo fiscal, a montadora, obrigada a respeitar um nível máximo de emissões do conjunto de carros novos por ela fabricados, podia compensar a venda de modelos poluentes com a venda dos flex.

Como o combustível de E85 era praticamente inexistente nos EUA, os flex desenvolvidos têm motores projetados para usar gasolina que permitem o emprego de etanol como um “quebra galho”.

Quando o flex foi lançado no Brasil em 2003, todas as montadoras adotaram o mesmo conceito. Como o preço do etanol era então muito competitivo, o flex foi bem aceito pelo mercado, muito embora usando etanol de forma menos eficiente que os antigos modelos a etanol. O flex tornou-se, assim, uma solução de marketing bem sucedida a julgar pelos 25 milhões de carros que circulam no país, onde responde por mais de 90% das vendas de carros novos. Os demais carros novos são a gasolina. Nenhum carro a etanol é produzido, embora sua venda não esteja proibida.

A dificuldade para que o etanol seja usado de forma mais eficiente se deve a uma percepção generalizada de que suas vantagens sobre a gasolina se limitam apenas à questão ambiental. A meu ver, a mais problemática é a regra pela qual, para haver paridade econômica, o preço do etanol pode ser, no máximo, igual a 70% do preço da gasolina. Essa regra, usada pela maioria dos proprietários de flex, corresponde, aproximadamente, à relação entre os poderes caloríficos dos dois combustíveis, o que lhe confere um cunho “científico”.

Em motores de combustão interna essa comparação não faz sentido. O desempenho do motor, apropriado ao uso dos dois combustíveis (“ciclo Otto”), depende de diversas características menos intuitivas que o “poder calorífico”. Em todas, o etanol supera a gasolina. Usado em motor adequado, o consumo (km/litro) de um carro a etanol pode ser da ordem de grandeza do consumo de um carro semelhante, a gasolina. O motor otimizado para usar o etanol, além disso, é mais compacto e leve que o equivalente a gasolina.

Devido à explicação “científica” da paridade 70, a regra se tornou um paradigma. Está embutida na legislação automotiva, nos programas de mensuração de desempenho e incentivo ao aumento da eficiência veicular do governo. Isto criou um conformismo, mesmo em segmentos da economia que só têm a perder com o mau uso do etanol.

Na prática, a paridade dos flex varia de carro para carro. Depende do modelo, do ano de fabricação, da especificação da gasolina (que já mudou várias vezes), da temperatura do ambiente em que é usado e até depende da habilidade do motorista. Medidas feitas por revistas especializadas e comentários na INTERNET confirmam que a paridade é, em geral, maior que 70%. Uma gestora de frotas concluiu que a paridade média medida em quase meio milhão de carros que administra se aproxima dos 80%.

O aumento de eficiência no uso do etanol veicular no Brasil, em curto prazo, vai depender de um melhor conhecimento desse combustível. Para tanto é fundamental desconstruir o Paradigma 70 junto aos consumidores e estimulá-los a medir em cada caso.

Em longo prazo há duas possibilidades que passam por uma atitude das montadoras: 1) voltar à produção de carros a etanol; e/ou 2) desenvolver carros flex que, invertendo a lógica atual, sejam otimizados para usar etanol e “quebrem um galho” com gasolina. Vai ser preciso melhorar a percepção dos consumidores e aperfeiçoar a legislação atual que, implicitamente, embute o princípio equivocado. Como mais de quatro milhões flex só usam etanol se a indústria perceber interesse do mercado e receber sinais corretos do governo não ficará indiferente a este expressivo nicho de mercado.

O uso eficiente do etanol veicular, além dos impactos ambientais e sociais favoráveis, afeta positivamente a economia dos consumidores e de todos os agentes ao longo da sua cadeia de produção e transformações. Sua maior difusão contribuirá para revigorar a oferta do único combustível renovável produzido em larga escala sem subsídios e sem monetização de suas externalidades positivas. Também contribuirá para diversificar a produção da indústria automotiva visando novos mercados, aqui e no exterior.

O momento para avançar no tema é particularmente oportuno. O país pode voltar a liderar o tema, pois tem um mercado potencial suficientemente grande para absorver novidades e tem ampla rede de distribuição de etanol já instalada.

Faça o download do artigo.

Autor: Jayme Buarque de Hollanda, Diretor Geral do Instituto Nacional de Eficiência Energética
21/11/2016


[Fonte: Revista Frotas e Fretes Verdes 2016]


Leia também

INEE: Substituindo Diesel por Etanol, um resumo do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

O INEE realizou a quarta edição do seminário, em 25 de outubro de 2017, no Centro Tecnológico da Mahle, em Jundiaí, onde ocorreu ampla e construtiva discussão sobre a substituição do óleo diesel...
Leia mais...

Palestras do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

A quarta edição do Seminário aconteceu no dia 25 de outubro em Jundiaí, São Paulo, no Tech Center da Mahle, organizado pelo INEE, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar.

O uso eficien...
Leia mais...

INEE: Descarbonizando o Setor Energético Brasileiro

O texto a seguir foi preparado pelo INEE para o ICS - Instituto Clima e Sociedade – ICS, como um documento de suporte para uma reunião com o projeto AGORA para discutir alternativas para minimiz...
Leia mais...

Pietro Erber, do INEE: MP 579, um desastre e duas questões

Muito tem sido comentado a respeito das consequências deletérias da MP 579, convertida na Lei 12783. No entanto, apesar do que representou para o setor elétrico e para o país, pouco ou nada se p...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Etanol Pode Substituir Diesel?

O INEE havia sido desaconselhado a fazer um evento sobre a substituição de óleo diesel por etanol porque sua densidade energética é cerca de 70% daquela da gasolina e apenas 60% daquela do diese...
Leia mais...

INEE divulga programa do IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

O evento será realizado em 25 de outubro, no Jundiaí Tech Center da Mahle, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar. As sessões do Seminário abrangerão os temas: tecnologias, usos e políticas, ...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Etanol, o incompreendido

A história do uso do etanol sofre avanços e recuos e é mal compreendida desde que o homem aprendeu a produzi-lo há 10 mil anos. Hoje é mais lembrado pelos malefícios associados às bebidas. Até o...
Leia mais...

INEE apresenta sugestões para as Propostas de Aprimoramento do Marco Legal do Setor Elétrico

Em resposta à Consulta Pública 033 de 05/07/2017, o INEE apresentou, em 17 de agosto, observações que entende serem pertinentes aos objetivos indicados na Nota Técnica nº 5/2017/AEREG/SE.

...
Leia mais...

Inscrições abertas para o IV Seminário Sobre Uso Eficiente do Etanol

O Seminário será realizado em 25 de outubro, no Jundiaí Tech Center da Mahle, com o patrocínio da Mahle e da Copersucar. A quarta edição do seminário sobre etanol eficiente vai discutir a substi...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Repensando o Uso do Etanol

No final de junho aconteceu o Ethanol Summit 17, evento que reúne todos os segmentos da economia envolvidos com o tema do etanol, dentre eles o futuro do seu uso automotivo.

Como estudioso do...
Leia mais...

Jayme Buarque, do INEE: Cadê o Carro a Etanol da Fiat?

Em junho de 2013, a FIAT levantou um empréstimo de R$ 7 milhões no âmbito da linha Inovação, do BNDES, para o “desenvolvimento de um novo motor a etanol de alta eficiência, em Betim (MG)”. Leia mais...

IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol

O INEE vai realizar no segundo semestre deste ano, com o apoio da Mahle, nas instalações do seu Centro de Pesquisas e Desenvolvimento, em Jundiaí, o IV Seminário sobre Uso Eficiente do Etanol. O...
Leia mais...

Novidade importante para motores a etanol

No Salão do Motor em Paris, no início de outubro último, a Nissan apresentou um novo tipo de motor ciclo Otto que pode ter um papel muito importante no Brasil onde a maioria dos carros vendidos ...
Leia mais...

Projeto ICS: Redução da Carbonização do Setor Elétrico

O presente texto resume o estudo preparado, pelo INEE, para o Instituto Clima e Sociedade. Foi desenvolvido em entre julho de 2016 e janeiro de 2017 sob a coordenação de Pietro Erber, do INEE, c...
Leia mais...

Pietro Erber, do INEE: Acionamento de veículos leves

A expansão e a renovação da frota brasileira de carros leves constitui um mercado para cerca de três milhões de unidades. No momento, aliás há anos, uma das questões mais discutidas, inconclusi...
Leia mais...

Newsletter Fale Conosco