Jayme Buarque, do INEE: Cadeia Energética da Madeira no Brasil

A madeira é uma importante fonte de energia no Brasil, origem de mais de 10% da energia primária utilizada pelo país. É, também, a forma de energia menos compreendida e que tem um potencial de grandes ganhos no futuro próximo. A maior parte dessa energia se destina a um uso industrial, nas fábricas de papel e celulose, cerâmica, gesso e ferro gusa.

Jayme Buarque
Com a exceção da indústria de papel e celulose, a cadeia de transformações e usos energéticos da madeira no Brasil se caracteriza pela baixa eficiência. A maior parte dos combustíveis tem origem extrativa com o emprego de tecnologias primitivas, dificultando o aumento da produção em bases renováveis. As fábricas de gusa que produzem o carvão com madeira plantada raramente aproveitam os gases e voláteis coproduzidos no carvoejamento pela inexistência de um mercado organizado para esses biocombustíveis.

Os combustíveis da cadeia são as únicas formas de energia produzidas, transportadas e comercializadas no Brasil à margem de qualquer regulamentação energética. Uma organização mínima e a existência de uma política energética para a cadeia da madeira aumentariam a eficiência gerando mais receita para o mesmo insumo, reduzindo preços, melhorando a qualidade dos combustíveis e asfixiando economicamente a informalidade e o recurso ao desmatamento.

Em 2005 a Política Energética Nacional – PEN deu um passo importante nesse sentido quando ampliou o escopo da ANP para que a agência, criada originalmente para regulamentar o petróleo, regulasse também “a produção, importação, exportação, transferência, transporte, armazenagem, comercialização, distribuição, avaliação de conformidade e certificação de qualidade de biocombustíveis”.

O que parecia um avanço frustrou-se em setembro de 2011 quando o conceito de biocombustível, universalmente entendido como “combustível derivado de biomassa renovável” foi definido (XXIV, Art. 2 da PNE na versão atual) da seguinte forma:

“(...)substância derivada de biomassa renovável, tal como biodiesel, etanol e outras substâncias estabelecidas em regulamento da ANP, que pode ser empregada diretamente ou mediante alterações em motores a combustão interna ou para outro tipo de geração de energia, podendo substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil;”

O texto exclui, na prática, os combustíveis da cadeia da madeira. Isto reflete preconceito dos que associam o seu uso intensivo a subdesenvolvimento, pois sendo de fácil obtenção e uso com tecnologias simples, atendem as necessidades de populações pobres. Essa visão embute a perspectiva de economias avançadas das regiões temperadas onde a baixa produtividade florestal inviabiliza seu uso vis-à-vis os combustíveis fósseis e pouco se investiu para aperfeiçoar essa cadeia. Explica também porque os investimentos em pesquisa e desenvolvimento para essa fonte renovável são mínimos no Brasil quando se considera a sua importância na matriz energética e a produtividade das biomassas em geral. O preconceito não tem mais razão de ser. Na Europa, a busca de alternativa aos combustíveis fósseis aumentou o uso de densificados, resíduos de madeira industrial e florestal comprimidos sob a forma de “pellets” (pequenos cilindros), com queima limpa, preço competitivo e grande vantagem ambiental sobre os combustíveis fósseis. Apesar de ter metade da densidade energética do óleo combustível, o densificado é usado para substituí-lo nos usos urbanos. Mais recentemente ajuda a reduzir a emissão de CO2 em termelétricas onde substitui até 30% do carvão mineral (“co-firing”).

O consumo de pellets na Europa pulou de meio para treze milhões de toneladas na primeira década, do século, um crescimento anual explosivo de 38% ! Mais de 20% dos pellets são importados dos EUA e do Canadá. Em 2010 foram estabelecidos normas e padrões internacionais para o biocombustível que vai se tornando uma importante “commodity energética” que movimenta em torno de dois bilhões de euros naquele continente. Com isso, é possível otimizar os processos de produção e dos bicombustíveis densificados.

Essa evolução desperta o interesse pelo “torrefado”, um derivado sólido obtido aquecendo os resíduos a 250oC na ausência de oxigênio. Com densidade energética superior à dos pellets de condensados e próxima à do carvão mineral, esse biocombustível pode ser estocado por longos períodos sendo mais apropriado ao transporte e à formação de estoques. Empresas elétricas norte-americanas estudam seu uso para substituir 100% do carvão mineral na geração elétrica.

Essas novidades me fazem crer que forças de mercado vão organizar no Brasil a cadeia da madeira energética. A demanda para exportação de densificados já mobiliza iniciativas no país e já levanta polêmicas sobre se valeria a pena a plantação densificada. A exportação é pequena e dificultada por fatores como a valorização do real, custo de transporte e pequena escala de produção.

O exemplo externo, a existência de normas que podem ser adaptadas às condições brasileiras, a possibilidade de reduzir custos de logística, no entanto, fazem prever uma expansão do uso no país. Cabe lembrar que as tecnologias de produção e uso desses biocombustíveis são compatíveis com a nossa capacidade industrial que terá acesso aos últimos avanços e desenvolvimentos europeus e norte-americanos. Apesar dos baixos investimentos em P&D para o uso energético da madeira e derivados, o Brasil tem um pequeno, porém competente grupo de especialistas. Se comprovadas as virtudes dos torrefados, ajudarão a mitigar as emissões das termelétricas para as quais a lei brasileira já impõe limites de emissão do CO2.

Esses avanços servirão de paradigma para alavancar a cadeia dos pirolizados em geral, notadamente o carvão vegetal. O Brasil é o único país do mundo a produzir gusa com carvão vegetal em larga escala (30% da demanda do país). Pela ausência de enxofre e contaminantes esse gusa tem elevada qualidade. A organização da cadeia para esse biocombustível e uso dos voláteis organizará o mercado com sinais econômicos adequados à criação e desenvolvimento de biorefinarias, com o aumento da receita dos produtores do carvão vegetal em bases modernas.

O Brasil terá a oportunidade, assim, de rapidamente liderar o desenvolvimento tecnológico e o domínio da produção e uso desses biocombustíveis, mais adaptados ao país e a todos países da faixa tropical, para competirem com os combustíveis fósseis.

Jayme Buarque de Hollanda é Diretor geral do INEE
INEE
09/07/2012


[Fonte: INEE]


Leia também

11º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética acontece em julho deste ano

O INEE vê com satisfação mais uma iniciativa de divulgação de oportunidades de investimentos e ganhos no setor de eficiência energética e de ações que estimulam o crescimento sustentável e a com...
Leia mais...

INEE atualiza páginas sobre Etanol

Com base em sugestões de especialistas no tema, o INEE atualizou o documento publicado inicialmente em fevereiro, em seu site, denominado Uso Eficiente do Etanol Hidratado e que contém uma Propo...
Leia mais...

Pietro Erber: Modicidade Tarifária no Setor Elétrico

A modicidade tarifária, para ser efetiva, deve refletir a eficiência da gestão do setor elétrico e das diversas concessionárias. Entretanto, em vários momentos da história do setor, os níveis tarif...
Leia mais...

Site do INEE de cara nova

O site do INEE tem uma nova apresentação visando facilitar a sua navegação. Com visual totalmente remodelado, além de novo leiaute, há algumas novidades de conteúdo, tais como uma nova área de a...
Leia mais...

O Brasil no Cenário Energético Mundial Segundo a AIE

A Agência Internacional de Energia – AIE acaba de divulgar seu World Energy Outlook – 2013, com as perspectivas de evolução do quadro energético mundial até 2035, no qual destaca o Brasil. São prev...
Leia mais...

Uso Eficiente do Etanol Hidratado

O artigo apresenta uma Proposta do INEE de ações para aumentar a eficiência energética dos carros quando usam etanol hidratado. Em 1984, a eficiência dos carros a etanol hidratado (EH) chegou a ser...
Leia mais...

Curso de Eficiência Energética nas Organizações e Empreendimentos

Organizado pela Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), o curso aborda conceitos fundamentais da gestão energética, com foco na conceituação de Eficiência Energética em su...
Leia mais...

VE - Veículo Elétrico Latino-americano em sua décima versão vem aí

O tradicional evento do Veículo Elétrico Latino-Americano com o 10º Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias terá lugar no Expo Center Norte, em São Paulo, de 4...
Leia mais...

Curso de Pós-graduação em Eficiência Energética e Qualidade de Energia em Processos Industriais

O INEE divulga mais um curso de pós-graduação na área de Eficiência Energética. Destina-se a profissionais graduados em Engenharia nas áreas de Elétrica, Eletrônica, Telecomunicações, Automação e C...
Leia mais...

PUC Minas realiza Curso de Pós-graduação em Gestão de Energia e Eficiência Energética

O INEE vê com satisfação a realização de mais um curso sobre o tema eficiência energética. A Puc Minas apresenta esse curso com a seguinte motivação: "em um mundo globalizado, a redução de custos é fa...
Leia mais...

INEE divulga Relatório de Atividades no ano de 2013

Em 2013 o INEE retomou suas atividades, já num ritmo mais acelerado, após a perda de seu escritório em decorrência do desabamento do Edifício COLOMBO, em janeiro de 2012. Foram realizados diverso...
Leia mais...

Resumo do Workshop Uso Eficiente do Etanol Veicular no Brasil

O texto resume informações apresentadas e discutidas no evento organizado pelo INEE, com o patrocínio da Copersucar e apoio da UNICA, em 21 de novembro de 2013 no auditório do Projeto Catavento, em...
Leia mais...

Como garantir os resultados da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia?

Como garantir que ocorram e permaneçam os resultados da ENCE - Etiqueta Nacional de Conservação de Energia? A etiquetagem dos edifícios comerciais e públicos – uma parceria INMETRO & PROCEL - é um ...
Leia mais...

Destaques do Workshop Uso Eficiente do Etanolveicular

No dia 21 de novembro, o INEE realizou o workshop “Uso Eficiente do Etanol Veicular no Brasil” para examinar as possibilidades de aumento da eficiência energética do uso veicular do etanol, particu...
Leia mais...

II Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes acontece no Rio de Janeiro

O Instituto BESC realiza, com o apoio do INEE, nos dias 10 e 11 de dezembro, o II Seminário internacional Frotas & Fretes Verdes. O objetivo do evento é apresentar e discutir as melhores técnicas p...
Leia mais...

Newsletter Fale Conosco