Uma agenda de eficiência para o novo prefeito

Em uma época de eleições, seria desejável que as diferentes organizações sociais pudessem ter uma agenda de prioridades para apresentá-la aos candidatos e/ou cotejá-la com os seus programas e propostas.

O INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética - entende que em sua área de atuação específica seria interessante verificar o comprometimento dos candidatos às prefeituras com um conjunto de medidas no plano energético que poderia, não só reduzir os custos para os contribuintes e para o país, como propiciar ganhos ambientais extremamente significativos.

Torna-se hoje desnecessário enfatizar a importância da eficiência energética e da questão ambiental nos fóruns nacionais e internacionais especializados. São temas que pelas suas características exigem alta dose de vontade política para sua efetivação. Entretanto, apesar da importância da ação de governo nas medidas de maior impacto, os resultados obtidos nessas áreas dependem da adesão e participação de milhares de agentes, o que enfatiza a relevância da educação.

Da mesma forma que votar é escolher, em qualquer outra atividade econômica ou social a escolha é a chave do processo. E a escolha nessas áreas, como tem sido ressaltado na própria propaganda do processo eleitoral, tem efeito que pode ser dramático por vários anos.

Assim, de uma forma objetiva, desejaríamos que os candidatos se comprometessem, entre outros, com os seguintes propósitos:

1-Implantar na Prefeitura um programa específico que identificasse, de forma matricial e com autoridade, todas as oportunidades de aumento da eficiência no uso da energia na administração direta e indireta da prefeitura;

2-Definir claramente uma política de eficiência energética para o município, onde estivessem consideradas:

  • Promoção e estímulo às edificações eficientes e ambientalmente corretas, valorizando, especialmente, soluções construtivas que propiciem o melhor aproveitamento da luz natural, minimizem a necessidade de condicionamento ambiental e utilizem materiais de menor impacto energético e ambiental;
  • Prioridades para a organização do transporte urbano, com estímulo às práticas e equipamentos corretos nos planos energético e ambiental com destaque para os corredores de transporte e de integração, assim como para os ônibus híbridos e elétrico. Estabelecer restrições
    efetivas ou mesmo penalidades, em gradações adequadas, aos impactos negativos e deseconomias provocadas pelos projetos e atividades em vias públicas assim como em certos locais e determinadas condições climáticas e ambientais;
  • Uso da energia em prédios e logradouros públicos municipais, mostrando exemplos e clara adesão do município às práticas corretas;
  • Introdução sistemática e permanente da educação energética e ambiental nas escolas públicas, aos diferentes níveis;
  • Uso do poder de compra na aquisição de equipamentos e na contratação de serviços, impondo regras e condições para observância aos princípios energéticos e ambientais do município.

    Com a palavra os candidatos!

    INEE
    24/09/2008
  • [Fonte: INEE]


    Leia também

    Edson Szyszka, do INEE: Eficiência Energética na Indústria

    Nos países membros da IEA (International Energy Agency), entre os anos de 1974-2010, a energia total recuperada por ações de EE foi maior que a energia total comprada de qualquer outra fonte, inclu...
    Leia mais...

    Jayme Buarque, do INEE: Sankey Energia, Fonte Ao Uso, Brasil 2019

    Em sua colaboração com a EPE, possivelmente a principal contribuição do INEE tenha sido mostrar a importância de apresentar o balanço energético anual, em forma de tabela, conforme o BEN, num conju...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Inserção de Fontes Intermitentes no Futuro Quadro Energético

    Quando se procura vislumbrar a evolução do balanço energético brasileiro, mesmo num horizonte de pouco mais de dez anos, alguns elementos parecem bastante seguros para que se comece a delinear uma ...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: 0 Setor Elétrico e a Privatização da Eletrobrás

    É possível que a Eletrobrás venha a ser privatizada, mediante redução da participação da União em seu capital votante. Previamente, porém, dadas as relevantes questões impostas ao setor elétrico e ...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Nova Matriz Energética - Armazenamento de Energia

    Nas duas últimas décadas, a estrutura da capacidade geradora sofreu alterações significativas, com o aproveitamento de expressivos potenciais hidrelétricos da Amazônia adotados de escasso armazenam...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Mercado de Etanol e Política Energética

    A extraordinária queda das cotações internacionais do petróleo levou à redução dos preços da gasolina, enquanto as crises, sanitária e econômica, causavam forte diminuição da demanda por combustíve...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Geração Distribuída, desafios e oportunidades

    Para evitar o consumo de combustíveis fósseis e reduzir custos, o setor elétrico precisa utilizar fontes renováveis, sazonais ou intermitentes, como a solar e a eólica, ainda pouco aproveitadas. Su...
    Leia mais...

    Pietro Erber e Marcos José Marques, do INEE: Eficiência Energética, uma busca permanente

    A eficiência energética é condição fundamental para a competitividade econômica e para o atendimento dos compromissos ambientais e sociais. Em vários países, os resultados alcançados recentemente t...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Questões do Modelo do Setor Elétrico

    O setor elétrico brasileiro enfrenta uma crise grave e complexa. Tal qual no início dos anos 1990, observa-se perda de remuneração em muitas empresas, contestação de cobranças pelo suprimento de...
    Leia mais...

    Lançamento do Portal Brasileiro de Indicadores de Eficiência Energética - PBIEE

    O evento será realizado no dia 18 de junho de 2019 na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, São Paulo. Organizado e promovido pela International Energy Initiative - IEI Brasi...
    Leia mais...

    Jayme Buarque, do INEE: Por um uso mais verde do etanol

    Quando o preço do petróleo quadruplicou no início do século, a demanda por carros a etanol aumentou muito no Brasil, pois o combustível renovável ficou bem mais competitivo que a gasolina. <...
    Leia mais...

    INEE divulga o Relatório de Atividades de 2018

    Em 2018, o INEE continuou a desenvolver suas atividades através das ações resumidas em seu Relatório abaixo. Desde que foi criado, foi o primeiro ano em que não organizou um evento para discutir...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Renda Hidrelétrica

    Usinas hidrelétricas têm, normalmente, vida útil bem mais longa do que o período necessário para a amortização do investimento realizado. Após esse período, os custos da energia gerada compreend...
    Leia mais...

    Pietro Erber, do INEE: Considerações sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico

    O adiamento da alienação do controle acionário da União na Eletrobrás apresenta ao Governo a oportunidade de concentrar sua atenção na definição do modelo do setor elétrico, no qual o papel dess...
    Leia mais...

    Osório, Saudades

    Osório de Brito faleceu no dia 15 de maio, com 79 anos. Engenheiro eletricista formado pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil, pós-graduado em engenharia econômica pela UFR...
    Leia mais...

    Newsletter Fale Conosco